Fantasia

Depois de assistirmos o filme da Mulher Maravilha, parei em frente à TV só de body com estampa da mulher maravilha e perguntei:
– E aí, filho? Estou igual à Mulher Maravilha?
– Tá. Só que beeem pior.

(Lucas, 6 anos)

 

Soletrando

– Cecília, ensine ao vovô como se soletra Elisa.
– E-L-I-S-A.
Ele respondeu:
– Nossa, se eu fosse escrever, iria colocar com Z.
– Zelisa, vovô? Por que Zelisa?

(Cecília, 5 anos)

 
 

Dimensões

– Mamãe, eu te amo.
– Eu te amo mais, meu amor. Do tamanho do universo.
– Eu te amo mais. Do tamanho do inferno.

(Janaina, 4 anos)

 

Demorô?

– Mãe, sabia que eu já sei escrever “um” e “Luiz” de olhos fechados?
– Gú, eu não consigo. Por que você está treinando para escrever de olhos fechados?
– É que a professora falou que a gente já devia estar sabendo escrever com letra cursiva de olhos fechados.

(Luiz Gustavo, 7 anos)

 

Pensa bem

Estava conversando com meu marido sobre chamar meu sogro pra consertar uma cama, mas ele falou:
– Você sabe que eu não gosto de pedir nada a ninguém.
O Guilherme escutou e retrucou:
– Nem pizza? Nem sanduíche?

(Guilherme Willian, 6 anos)

 

As aparências enganam

Meu marido ensinou meus filhos e me chamarem de “véia”. Certa vez, levando-os para a escola, falei:
– Filhos, eu não gosto que vocês me chamem de “véia”. Eu fico triste.
O Mateus, para me consolar, falou:
– Mamãe, você não é “véia”, só parece.

(Mateus, 5 anos)

 

Preço

Com a Gabi no carro, passamos em frente a um restaurante, ela leu o cartaz e disse:
– Nossa! Quarenta reais uma peixada?!
Então perguntamos o porquê do espanto, se ela estava achando caro… Ela respondeu:
– Claro! Quem vai pagar quarenta reais pra tomar uma peixada na cara?

(Gabi, 7 anos)

 

Uma alternativa

Minha filha me pediu uma caixa que estava em cima do armário:
– Mamãe, pega a caixa pra mim?
Na esperança dela pedir de forma educada, falei:
– Fazendo…
Ela pensou um pouco e disse:
– Fazendo bagunça.

(Julia, 3 anos)